... Virtude ...

domingo, 17 de abril de 2011

A mais antiga prova Portuguesa



Esta manha em Lisboa decorreu a prova de estafeta em estrada mais antiga de Portugal que liga Cascais /Lisboa que já vai na sua 72ª edição, com percurso de 20km repartido por 4 percursos de 5km cada, paralelamente decorreu uma Corrida em Linha igualmente com 20km, onde eu participei. Fui na companhia do Tandur Filipe e seu pai Jose para local de partida junto ao Casino do Estoril, onde reencontramos vários amigos de corridas e trabalho. Sabia ente mão que iria ter uma óptima recepção em Belém, pois a minha Carolina estava a minha espera para passarmos mais uma meta de mão dada.
Depressa chegou as 9h30, a manha estava magnífica para correr lado a lado com o Tejo, temperatura agradável mas fazia-se sentir algum vento. Da minha participação tenho a dizer que correu muito bem, nem estava espera que corresse tão bem, fui sempre bem acompanhado pelo Tandur Filipe, sempre a rolar a maior dificuldade foi o vento constante por vezes forte durante toda a prova, que fez moça , foi um desgaste suplementar. Ia ganhando quilómetros estava bem a companhia era boa ao mesmo tempo ganhava confiança para continuar o ritmo que levava, nas zonas onde acontecia a troca de testemunho na estafeta, 1º na Parede, 2º Santo Amaro, 3º em Cruz Quebrada a festa era muita os atletas ansiosos de ver quando chegava o seu parceiro e o aglomerado de pessoas era maior, os abastecimentos em 5km em 5km foram bons apenas faltou um pouco de regra.
Quando faltava pouco menos de 5km para final, ao longo da descida um grupo de 3 atletas cola-se a nós iam bem, penso que estavam a treinar pois não seguiram para meta, quando digo ao Filipe, “vamos apanhar boleia deste grupo”, assim o fizemos. Foi os últimos km sempre a rolar abaixo dos 4:20 min/km, tal ânsia de rever o sorriso da carolina que me fez voar, só abrandei a escassos 400m da meta para encontrar a Carolina, lá estava ela acompanhada dos avos do lado oposto da meta, passo por ela bato-lhe na sua mão pequena de seguida foi ao meu encontro perto da meta para a passarmos juntos.
No final tive o tão esperado sorriso e o beijo de reconforto, ainda bem que há dias assim! Tempo final dos “20 km em Linha” em 1h30’05 num ritmo 04:30 min/km, no 23ª lugar no escalão M20/39, no 51º lugar em 409º atletas na geral da classificação.


Despedidas feitas, uma excepção à regra o regresso a casa foi diferente. Partimos de Belém num velhinho barco ate há outra margem, como foi diferente atravessar o rio Tejo, um balançar constante que tranquiliza a mente e nos faz sonhar, saboreando a brisa marítima os raios de sol, ver a Carolina numa alegria que contagia qualquer um, durou pouco tempo a viagem, mas para mim foi uma eternidade.
Futuramente voltarei a correr nesta prova, prova que marcou pelas excepções á regra, talvez pela passagem de testemunho para novos sonhos, sonhos que permanecem….

4 comentários:

José Xavier disse...

Olá Vitor;

Muito bem fazer essa prova numa região bem bonita, ao longo sempre do rio. Treinei por aí muitas vezes e sempre recordo essa bonita imagem.

A tua ponta final foi fantástica...ajudado pela Carolina.

Um abração
do Xavier

Filipe Fidalgo disse...

"Primo" Tandur.
Que grande corrida esta. Depois de termos sofrido a bom sofrer com aquele vento, a parte final foi espectacular, num ritmo louco e alucinante em busca do abraço dos pequenos que aguardavam por nós.
Ainda bem que por instantes voltas-te a sorrir.
Um grande Abraço.

luis mota disse...

Uma virtude participar nessa prova.
Grande abraço Amigo.

Mário Lima disse...

E eu a pensar que o meu amigo tinha ficado quietinho depois da "tareia" em Almourol e Barris e eis mais uma prova de 20 km.

Um belo registo e ter ali a filhota (a foto está um espetáculo) é um acabar com outro sabor.

Abraços e penso que até Constância!